quarta-feira, 16 de maio de 2012

Honrar pai e mãe!

Inscritos em nosso coração estão os mandamentos de Deus como revelação de sua predileção pelo ser humano e como setas que apontam o caminho que torna a vida mais nobre.

Deus nos quer trilhando caminhos que potencializem nosso amor a Ele e ao próximo. Deus sabe que, desviando-nos de seus caminhos, encontraremos banquetes enganadores, amigos falsos e interesseiros, ilusões contínuas e uma profunda tristeza na alma.  

Quando pensamos no quarto mandamento, todos nos sentimos filhos. Deus, cuidadosamente, escolheu pessoas que cuidariam de nós durante toda nossa vida. Esqueceriam quase de viver para desdobrarem-se em amor e doação contínua sem esperar nada em troca. Tudo feito na mais pura gratuidade porque aceitaram gerar uma vida para gerá-la em todos os dias da vida.

Sem dúvida, o amor não é uma palavra apenas, mas é sacrifício, doação, entrega total. Sem esta dimensão, torna-se egoísmo.

“Honrar pai e mãe” é um vivo convite a todos nós a um comprometimento no tempo com aqueles que, por um ato de amor, nos deram a bela possibilidade de viver e estar neste mundo. Eles não merecem menos do que nosso amor profundo e verdadeiro, nosso respeito cheio de gratidão porque, na promessa que se concretizou, deram sim à vida.

Certamente existem, pelo mundo afora, filhos que, tristemente, não conheceram seus pais porque foram abandonados por eles ou porque já não existem mais. Outros vivem o dilema amargo de serem órfãos de pais vivos. Sentem a dor contínua da insignificância e do esquecimento. Uma chaga que permanece aberta, sangrando em muitos corações, sem possibilidades de cura. Milhares de filhos carregam no coração a tristeza profunda de ter os pais separados ou bêbados pelas ruas, entregues aos vícios, violentos em casa, incapazes de amar a sua família.

E a pergunta que se apresenta agora é esta: Como amar um pai assim que causa tanta dor e decepção, que não ama o filho, que o abandona, que o despreza, que não se importa com sua vida? Que dor maior pode existir no coração de um filho?

Mas Deus nos diz: “Meu filho, honre seu pai e sua mãe”. Você pode não amá-los porque é difícil perdoar e amar no sofrimento, no abandono, na dor. Mesmo assim, você deve honrá-los. Independente de seus inúmeros pecados, você deve respeitá-los porque a vida não gira em torno da coerência, mas do amor!


Ir. Deuceli Kwiatkowski

Nenhum comentário:

Postar um comentário